terça-feira, 8 de junho de 2010

Introdução ao existencialismo

Existe uma dor dentro de mim, dilacerando minha alma... Estou morrendo.

Introdução ao existencialismo

Principio – A existência

Tu pensas, pressuponho, logo existe, creio. Assim fica provado que algo existe, tu, portanto a existência, de forma objetiva, existe (probabilidade infinita existencial).

Sobre a existência – A verdade

Tenha em mente que a tua existência só é verdade para tu, pois só tu tens certeza da mesma, portanto a existência de um individuo só é verdade para esse mesmo individuo, todos os outros tem mera fé que tal individuo tenha realmente essência, autoconsciência, livre arbítrio, etc. Logo:

A principio duvido da existência de todos os outros seres além de mim, já que a única existência que me prova ser real é a minha. Nas outras tenho pura fé, ou não.

Assim é com tudo no universo. De veras nada se prova real, nem teu próprio corpo, tu és uma mera consciência espontânea que por algum motivo desconhecido está conectada ao teu corpo. Portanto, a existência faz parte da verdade, todo o resto é só suposição.

Sobre a verdade – princípio da verdade absoluta

De certo não se sabe, mas é provável que exista algo além de tu, e das existências que tu acreditas, seria o universo de forma real, a verdade. Não essa visão erronia de cores, quente ou frio, seria o universo de fato, de veras todos os fatos. Logo:

Existe uma verdade, absoluta, mas nosso modo de ver o universo nos torna alheio a mesma, portanto ao próprio universo de forma existencial.

Nossa existência é nosso único ponto de conexão com a verdade, logo nós fazemos parte da verdade.

Os corpos humanos provem visões erronias da verdade, portanto, ela só pode ser “vista” através da consciência, de forma pura e não humana, e de tudo que se liga diretamente à existência, já que essa faz parte da verdade. Todas as outras formas de “ver” a verdade forçam uma noção distorcida, humana.

Sobre a verdade – o principio da duvida absoluta como busca da verdade

Temos que:

As verdades humanas são distorcidas, pois estão intimamente ligadas às sociedades, sentidos e experiências corpóreas que provém uma noção absolutamente distorcida da verdade.

Então como se encontra a verdade?

Temos que:

Além da nossa própria existência, tudo é uma incógnita no resto da verdade. (incerteza sobre tudo)

Portanto:

De todo o resto tu duvidas.

Logo:

Te todo o universo a coisa mais provável é a própria existência individual, uma probabilidade infinita, o pensamento que mais se aproxima da certeza, de acordo com a incerteza sobre tudo.

Logo:

Todo conceito tomará como base a duvida, depois da duvida a existência, porque assim o comparamos com o máximo não absoluto, incerteza sobre tudo, e com o mais próximo do absoluto, a probabilidade infinita existencial.

Princípio da construção de conceitos – Construindo a visão da verdade

Pensas na verdade como uma escultura, pois cada pessoa tem visão de um ângulo, portanto todas são alheias a verdade, ou seja, a escultura em si, já que a verdade seria a escultura por todos os ângulos.

Todo o conceito, como já dito, deve se basear nos dois pensamentos sobre a verdade:

A existência é a coisa que mais provavelmente faz parte da verdade, ou seja, existe.

Todas as outras coisas são duvidosas, logo, sobre todo conceito há uma parcela de duvidas.

Sabendo isso, e aplicando, temos como construir uma visão sobre a escultura, o próprio universo.

Nenhum comentário:

Postar um comentário